Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Princesa da Casa

Eu sou a mãe, ela é a filha - a princesa. Embora às vezes os papéis se invertam!

Eusébio e o Panteão Nacional...

Sou Benfiquista! Percebo toda a euforia por causa do falecimento de Eusébio. E apesar de não participar nela, percebo e respeito. Afinal, foi um homem com grande mérito, pensador ou não, teve mérito naquilo que era a sua verdadeira vocação - o futebol - e por isso deve ser admirado ou pelo menos respeitado por todos, independentemente das preferências clubísticas.

Eusébio elevou o nome de Portugal com os seus feitos, portanto é considerado um herói e irá para o Panteão Nacional. Não dúvido que seja um herói na sua arte de jogar, mas acho que a decisão de ir para o Panteão Nacional é muito em cima do acontecimento. 

O Panteão Nacional abriga os cenotáfios de heróis da nossa história, tais como Infante D. Henrique, Humberto Delgado, Pedro Álvares Cabral. Abriga os cenotáfios de políticos, idealistas, lutadores, escritores, fadista(s) e de futuro futebolista(s).

Esta questão em torno do Panteão faz-me questionar de quais são os critérios de decisão? Se abrigam figuras ilustres que dignificaram o nosso País tornando-o conhecido no exterior, sejam escritores, fadistas ou futebolistas, então onde estão José Saramago e Egas Moniz que foram prémio Nobel?

 

Lei n.o 28/2000 (artigo 2º) - "As honras do Panteão destinam-se a homenagear e a perpetuar a memória dos cidadãos portugueses que se distinguiram por serviços prestados ao País, no exercício de altos cargos públicos, altos serviços militares, na expansão da cultura portuguesa, na criação literária, científica e artística ou na defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação da pessoa humana e da causa da liberdade."