Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Princesa da Casa

Eu sou a mãe, ela é a filha - a princesa. Embora às vezes os papéis se invertam!

O Protector de Madeline Hunter

O Protector.jpg

Tenho a certeza de que se lesse todos os outros livros como li este, tão rápido, conseguiria os tais 50 livros por ano que muito gente por aí consegue! O Protector, de Madeline Hunter, é um romance histórico, da época feudal, simples, sem descrições exaustivas, com um toque de erotismo e muita sensualidade, focado sobretudo na vida dos personagens principais, Morfan, um cavaleiro inglês, à procura de terras, e Anna de Leon, uma mulher guerreira, que defende as suas terras. É difícil não ficar apaixonado por estas duas personagens e pela paixão avassaladora que os transforma. Anne de Leon é uma personagem muito cativante, que monta a cavalo e que luta nas batalhas, uma mulher invulgar para a época que prefere voltar ao convento, a casar e ser submissa a um homem. Morfan, depois de ser salvo por esta mulher, promete a si mesmo protege-la. A história é muito envolvente, ficamos presos aos acontecimentos, às peripécias, e só queremos mesmo é chegar ao fim!

 

a Sinopse:

"Numa terra sem lei, devastada pela guerra e pelas pragas, Morvan Fitzwaryn, um cavaleiro errante, faz jus à sua honra e protege os mais fracos.
Habituado a ser o melhor, o mais forte, o mais temido, não esperava vir a conhecer um guerreiro cujas qualidades de combate rivalizassem com as suas. Quando se encontram pela primeira vez, é Morvan quem precisa desesperadamente de ajuda. De espada na mão e porte altivo, o guerreiro a quem ficará a dever a vida é, surpresa das surpresas, uma mulher!
Em pouco tempo, a imbatível Anna de Leon torna-se no único prémio digno de ser conquistado... e o único que Morvan não consegue arrebatar."

 

factos a retirar do livro

 

a beleza exterior é apenas um complemento da beleza interior, da força, da coragem, da persistência, da solidariedade e do respeito.

 

a guerra, a conquista, as terras, o sofrimento, tão presente ontem e hoje na civilização humana [típico de nós, gente].

 

a força da mulher, a sua determinação, uma luz de emancipação num mundo só de homens, num mundo demasiado injusto. 

 

o amor existe tal como nos contos de fada e sim, é possível que tudo corra bem. 

 

 

5 comentários

Comentar post