Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Princesa da Casa

Eu sou a mãe, ela é a filha - a princesa. Embora às vezes os papéis se invertam!

Turista em Évora |por hora e meia|

Em Janeiro revisitei Évora, o que é sempre agradável (mesmo a trabalho)!

Évora é uma cidade que transpira história e cultura, uma cidade marcada por vários acontecimentos importantes, e onde ainda hoje, sempre que se dá um passo para construir ou recuperar algo, se fazem descobertas e grandes achados arqueológicos.

Durante uma hora e meia fui turista na cidade e descobri pormenores históricos da cidade alentejana que desconhecia completamente.

Aqui fica a reportagem fotográfica desta rápida visita e para vos inspirar: 

P_20170117_085214.jpg

P_20170117_090134.jpg

P_20170117_094548.jpg

 P_20170117_095453.jpg

P_20170117_100615.jpg

P_20170117_101112.jpg

Não deixem de visitar ou revisitar Évora, pela cultura, pela história e também pela comida!

O que me diz este Livro [5]: "O Diário de Anne Frank"

 

Em Outubro de 2012 tive a oportunidade de visitar o anexo onde a família Frank se escondeu, de 1942 a 1944, para fugir à perseguição Nazi.

Quando era adolescente li o Diário de Anne Frank, o livro marcou-me profundamente. É o diário de uma rapariga forte e sonhadora, uma adolescente que se viu forçada a viver para sobreviver, juntamente com a sua família. E alí, naquele espaço tão pequenino, compartilhado por mais sete pessoas, Anne tinha um mundo tão próprio que de certa forma a libertava do cativeiro forçado. O livro é um testemunho real de uma parte cobarde e insana da história mundial. Infelizmente, todo o esforço da família foi em vão. Alguém os denunciou. E a 4 de Agosto de 1944 foram descobertos e presos. Anne Frank morreu de tifo, a 31 de Março de 1945, com apenas 15 anos, no campo de concentração de Bargen-Belsen. E o pai, o único sobrevivente da família, publicou mais tarde o diário. 

A Casa Museu de Anne Frank, em Amesterdão, foi fundada em 1960 em sua memória. Foi emocionante pisar o chão daquele espaço tão bem descrito nas páginas do diário e sentir a emoção retratada no chão e nas paredes do anexo. E de Anne Frank cito uma das minhas frases preferidas:

"Quando escrevo, sinto um alívio, a minha dor desaparece, a coragem volta. Mas pergunto-me: escreverei alguma coisa de importância?"

 

Sabe mais na WOOK

 

Acompanha a "A Princesa da Casa" no Facebook