Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Princesa da Casa

Eu sou a mãe, ela é a filha - a princesa. Embora às vezes os papéis se invertam!

15M. [O Dicionário da Princesa da Casa - Vol. 1]

Dizem os entendidos que por volta dos 12 meses o bebé diz a sua primeira palavra (depende de criança para criança). E que uma vez dita a primeira palavra, o vocabulário do bebé multiplica-se extraordinariamente numa constante procura de novos sons e numa intensa experiência de junção de vocábulos. Nos primeiros dois meses o intervalo entre cada palavra nova é longo, mas depressa a descoberta de novas palavras passa a ter intervalos cada vez menores. Os livros, dizem que aos 18 meses, o bebé já fala entre 40 a 50 palavras e compreende 200! Aos 2 anos, pronuncia entre 200 a 300 e compreende perto de 2000. A partir de determinado momento o processo é tão rápido que é difícil de contabilizar! 

Mas, é claro que para os pais, as primeiras palavras são especiais, enchem-nos de orgulho. É impressionante a capacidade de aprendizagem de um bebé que ainda "ontem" nasceu e que hoje já percebe tanta coisa! 

E com 15 meses a princesa B. adora falar, já tem uma lista longa de palavras pronunciadas e outras tantas que só ela percebe, insiste em comer sozinha de tal forma que essa tarefa está cada vez mais aperfeiçoada, adora ser mimada e mimar, e cumprimenta toda a gente que passa por ela num espaço público com um sonoro "OLÁ". Continua a não gostar muito de dormir, apesar de já perceber que é um bem necessário e fica eléctrica quando está com sono!

Daqui a uns anos, quando a minha filha me perguntar quais foram as primeiras palavras que disse, vou responder-lhe para ver no blog da princesa da casa. Aqui fica o registo (para nunca me esquecer) do "Primeiro Dicionário da Princesa B.": 

Água - ou aua na pior das hipóteses;
Aí, aí, aí - repete o que os pais lhe dizem quando se porta mal :)

Anda - quando quer que a tirem do sítio onde está (seja do parque ou da cadeirinha) ou quando quer que a acompanhem num passeio;

Cocó - para a fralda, ou porque deu um pum ou porque fez cocó!

- para pedir e oferecer; 
Deita - para os papás irem dormir;
Dia - Bom dia.
Dius - Adeus. 
Dôdas - as doidas das galinhas;

Gato - porque gostas deles e porque os encontra nas escadas do prédio ou em casa dos avôs desde pequenina;

Já está - quando algo não lhe agrada dá por terminada a tarefa; 
Mamã - utilizou durante meses para chamar também o papá e os avós;
Não! - ou Nã, nã não!
Oh pá - expressão entusiasta que aprendeu com a avó Zezita;
Olá - porque é simpática e porque se mete com toda a gente que encontra;
Pão - a última das palavras pronunciadas, dita ontem dia 5, só para me deixar ainda mais orgulhosa! E nem o til a atrapalha!
Papá - para chamar o pai, mas de vez enquanto ainda lhe chama de mamã (é mais forte do que ela);
Papa - porque adora comer;
Papo - para o sapato e/ou meia;
- para a amiga chupeta;
Quem é? - a primeira expressão a verbalizar
Senta - disse-o a primeira vez para pedir para a avó Rosa se sentar;
Tou -  quando prefere falar ao telefone em vez de o desligar;
Vovô - avô/avó

Provavelmente estarei a esquecer-me de alguma, com muita pena minha, mas será incluída no próximo edição!!

A princesa B. na nova creche!

A princesa da casa já está na nova escolinha, começou no início da semana:

Primeiro dia, difícil... especialmente para a mãe, pois claro! Aí que nervoso crescente, que falta de paciência para com tudo e todos, que pensamento recorrente "Como estará a minha filhota? Estará bem?" Ao fim de duas horas de a deixarmos lá [ficou bem, sem choros, nem birras], liguei e - "mãe, a B. está muito bem, está no recreio, a observar o espaço e os novos colegas, tranquila, não chorou..."

No segundo dia voltei a ligar - "mãe, a B. é um anjinho, está bem disposta, não chora, já brincou, comeu tudo, adormeceu sem chupeta." [que orgulho] Mas, quando a fui buscar assim que me viu começou a chorar como quem diz "Onde estiveste? Tive saudades tuas! Porque me deixaste aqui?"

Hoje, quando cheguei, estava a passear no recreio de mão dada com um menino mais velho [aqui para nós, ainda bem que o pai não a foi buscar!] Concluindo, a B. já está integrada e adaptou-se no primeiro instante [optimamente], já para a mãe a adaptação foi [é] um pouco mais lenta!

 

À procura de creche para a B.

Na semana passada ficamos a saber que a creche onde está a B. vai fechar... Choque! Preocupação! E agora? Calma, pensei. Peguei na lista de creches que visitei e que contactei há mais de um ano (ainda grávida) e eliminei aquelas que não gostei na altura, fosse pelo preço exorbitante, fosse pelas condições ou pelas próprias pessoas (eu tenho que simpatizar com elas, sentir que são de confiança, ok eu sei que até posso estar enganada, mas não custa tentar). Assim, voltámos a visitar aquelas que mais gostamos, contactamos outras que gostamos assim-assim, e ainda outras que não tínhamos contactado no ano anterior. Confesso, é um processo doloroso e cansativo, isto porque queremos sempre o melhor para os nossos filhos, isto porque há toda uma incerteza e não existe lugar mais perfeito que o próprio lar. É claro que depois de termos visto o 8 e o 80, em termos de condições e custos mensais, optámos pelo 50 (espero). A creche eleita é bem melhor do que aquela onde a B. está, em termos de espaço, de recreio, de actividades, mas é claro que há uma mudança, uma nova adaptação e tudo o que isso implica...  A B. gosta muito das educadoras desta creche, e eu também. Agora, é um laço que se quebra e outros que se iriam enlaçar! 

Enfim, vamos ver como irá portar-se a princesa! Em Outubro trago-vos novidades.

O quarto da princesa [inspiração]

O quarto da princesa B. já levou vários retoques, mas ainda não está totalmente finalizado. Não é um quarto de rainha, talvez ainda esteja muito longe de ser um quarto de princesa, mas é um quarto de menina onde se destaca claramente o rosa, e onde há muita luz e muitas outras cores alegres e positivas! Aqui ficam algumas imagens que recolhi para ganhar inspiração!

Dificil é escolher... depois digam-me qual o vosso preferido?

 

Coisas de Mulher [9]