Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Princesa da Casa

Eu sou a mãe, ela é a filha - a princesa. Embora às vezes os papéis se invertam!

05.12.18

"A Verdade sobre o Caso de Harry Quebert"

Maria João Costa
Estreou no domingo passado no canal AMC a sério "A Verdade sobre o Caso de Harry Quebert", um famoso escritor que é acusado de matar uma jovem de 15 anos, Nola Kellergan, enterrada no jardim da sua casa. Comecei a acompanhar esta série por dois bons motivos: primeiro porque a personagem principal, Harry Quebert, é interpretada pelo actor Patrick Dempsey (o saudoso Derek Shephert da serie Anatomia de Grey), e segundo porque ouvi falar muito bem do best-seller de Joel Dicker. Quem (...)
02.12.18

Dois dos melhores anúncios de Natal!

Maria João Costa
Entre milhares e milhares de anúncios nesta época (a princesa que o diga), é bom quando encontramos aquele que consegue fazer a diferença! Nós sabemos, neste caso, que objectivo é a venda do produto através do apelo à emoção, mas a verdade é que estes anúncios estão maravilhosamente bem conseguidos! Deixam uma mensagem de gratidão, solidariedade e realização de sonhos no ar! É esse o espírito do Natal! Vejam: Parabéns!!      
29.11.18

A Princesa da Casa e os seus dois Castelos

Maria João Costa
Por ironia do destino, ou não... há muito que a princesa da casa deixou de ter apenas uma casa, eu diria que passou a viver em dois castelos, um onde mora com o pai e outro onde mora com a mãe. Quando criei o nome do blog estava longe de imaginar tal situação. Para mim a B. seria sempre a princesa de um único castelo, só que não... A vida dá muitas voltas e não existem certezas absolutas. ***  E por falar em certezas, será que viver em dois castelos é a melhor (...)
14.11.18

Precisamos de mais solidariedade!

Maria João Costa
Não acham que existe uma falta de solidariedade tremenda nos dias de hoje? Existe falta de solidariedade e de altruísmo na sociedade. Às vezes parece que só praticamos o bem a troco de algo. Parece que andamos cada um de nós a puxar a corda para diferentes lados,  em vez de puxarmos a corda para um lado único e comum, para o bem de todos.   Não seria mais fácil, assim? É que um dia a corda estica tanto que parte!    Esta falta de solidariedade reflecte-se em tudo na vida, (...)